O pedido

Estavam os dois em Nova Iorque, em Novembro de 2014. O tempo era pouco para fazerem as malas e  apanharem o autocarro para Boston, mas acreditavam que havia ainda tempo para subirem ao topo do Rockerfeller Center, para se despedirem da cidade depois de duas semanas bonitas.
“Alex, tens de ir lá abaixo comprar uma mala… as nossas coisas não cabem todas nas pequeninas que trouxemos!”.
O Alex desceu do apartamento em Queens, e antes de chegar à loja das malas viu a Shienny’s Jewery Store de Astoria. Num impulso, entrou e disse “preciso de um anel”. Era do conhecimento geral que o Alex não queria casar nunca . Ele foi para Nova Iorque sem qualquer intenção de fazer o pedido e a Ana Luisa estava OK com isso.
“Is it an engagement ring, sir?” (“É um anel de noivado, senhor?”).
“Não, uma coisa bem mais simples”.
O senhor mostrou-lhe algumas jóias, e os olhos do Alex pararam naquele coração. Pensou “este ela vai gostar”… olhou para o preço e pensou “e este eu consigo pagar!”.
anel2 ring
Quando regressou a casa, a Ana Luisa já fumegava.
“Mas onde é que foste comprar essa mala, Alex? Daqui a bocado já é de noite e não vemos nada de jeito e não subimos ao Top of the Rock!”
Ele não se descoseu. Foram para Manhattan, subiram ao topo do Rockerfeller. Viram as vistas, tiraram fotografias. O tempo todo, o Alex estava à espera do momento certo. A Ana Luisa, não estava nem aí.
O vento estava gelado, e quando a Ana Luisa decidiu que não aguentava mais estar ao ar livre, prestes a entrar no edifício para descer, o Alex chama-a. Abraça-a, e fica a olhar para o horizonte. A Ana Luisa pensa consigo mesma “Mas ele ’tá parvo ou quê?”.
De repente, lembra-se “Ah! Olha, vamos filmar aqui um bocadinho do vídeo de Nova Iorque! Vai ficar muito giro!”. Liga a câmara, (o Alex tira a caixa do bolso, dão um beijinho, e quando ela estava prestes a desligar, olha para baixo e vê a caixinha amarela.
“Queres casar comigo?”.
A resposta… já correu as redes sociais:  “Ai cabrão de merda!
A Ana Luisa percebeu o motivo da demora nessa tarde, e quando ele abre a caixinha, ela começa a chorar. Estava ali, à sua frente, algo que ela não acreditava que lhe aconteceria um dia.
Alex: “Pah, se é ‘pa chorares eu retiro o pedido!”.
Ana Lu: “Não-é-isso-é-que-eu-não-estou-a-acreditar”.
Alex: “Mete no dedo!”
Ana Lu:“Eu-sniff-não-sniff-sei-qual-sniff-é-sniff-o-dedo!”.
Já prontos para se virem embora, a Ana Luisa lembra-se
“Ah! E é sim!”
Vejam o vídeo do pedido:

Vejam o vídeo dessas férias com o pedido